Siga-nos

  1. Facebook

  2. Twitter

Temos neste exato momento

Rotas de Nilópolis: 431I – Nilópolis x Nova Iguaçu

Por Luiz Antonio Dória
ÔNIBUS

Foto: Vitor Luiz do Prado

A ligação rodoviária entre Nilópolis e Nova Iguaçu se iniciou desde que o povoado de Engenheiro Neiva foi formado. Um serviço de bonde operados pela Companhia Carril Melhoramentos de Iguassú realizava o serviço com bondes puxados a burros. Isso no início do século XX.

ESTAÇÃO FERROVIÁRIA

Estação Ferroviária de Nilópolis em 1941. Foto: Divulgação

Com o tempo, os ônibus foram substituindo os bondes da Melhoramentos de Iguassú e a primeira linha entre estas duas cidades surgiu quando a Empresa Nossa Senhora da Conceição operava uma linha ligando Nilópolis a Mesquita, na época distrito de Nova Iguaçu.

É verdade que na época também havia outras linhas de ônibus com a mesma finalidade como as que ligam a Zona Norte Carioca à Nova Iguaçu e a que liga Austin à Duque de Caxias (Atual 429I – Queimados x Duque de Caxias) e Cabral à Comendador Soares. Mas uma linha com o intuito de interligar os distritos-sedes destas cidades, só apareceu após a emancipação de Mesquita, em 1999.

CDO_RJ130_EXPSAOFRANCISCCO_ 0098

Foto: Pedro Guimarães de Oliveira

Foi quando a linha 439I, operada pela Expresso São Francisco foi estendida para Presidente Juscelino e depois estendida até o Centro de Nova Iguaçu, disputando a preferência dos passageiros da 548P, que liga Campo Grande  a Nilópolis, mas em seu percurso passa pela “Capital da Baixada”.

Partindo da Rodoviária de Nilópolis, a viagem começa pela Getúlio de Moura, uma das mais importantes avenidas da cidade pois quem vem do Rio e adjacências passa por esta via. Depois de passar pela Rua Mário de Araújo, na altura do Assai Atacadista, adentramos pela Getúlio Vargas e pela Mirandela, ambas avenidas de grande importância comercial para a cidade.

Evangelista com Mirandela

Av. Mirandela, esquina com João E. de Carvalho. Foto: Google

E pela Mirandela seguimos até o encontro com a João Evangelista de Carvalho. Deste ponto até a Ponte sob o rio Sarapuí, percorremos 950 metros e chegamos a Chatuba, bairro mesquitense e envolvida em uma grande polêmica entre Nilópolis e Mesquita.

É que segundo alguns historiadores, Chatuba fazia parte de Nilópolis quando este ainda era distrito iguaçuano. Quando ocorreu a instalação do novo município em 1947 a divisão territorial se deu por meio do rio Sarapuí quando na verdade, segundo outra corrente, a divisão deveria ter como base o Córrego do Socorro.

Chatuba Vila Rica FPolvora

Foto: Luiz Antônio Dória

Na Chatuba, a João Evangelista muda de nome, passando a ser Almte. Batista das Neves. O bairro é atendido por  linhas que outrora foram municipais e com a emancipação, passaram a ser intermunicipais e que – ironicamente – eram operadas pela Expresso São Francisco e passaram as mãos do Grupo Mirante/Vila Rica.

Na esquina da Rua dos Alpinos, a Batista das Neves passa a se chamar Avenida União. E em 1,5 km de percurso nos deparamos com o Hospital São José, que antes era da UNIG e que atualmente anda aos trancos e barrancos, buscando atender os mesquitenses.

E chegamos a Mister Watkins, passando pelo Tênis Clube de Mesquita e após, Centro de Mesquita. Depois de passarmos pela Praça Secretária Elizabeth Paixão, percorremos a Feliciano Sodré até chegarmos ao seu ponto final: A Avenida Bernardino de Melo.

Gostou dessa matéria? Então compartilhe com seus amigos

Comentários

Uma resposta para Rotas de Nilópolis: 431I – Nilópolis x Nova Iguaçu

  1. Paulo Martins

    26 de novembro de 2013 at 20:17

    Impressionante, enviei a cerca de um mês uma matéria sobre a utilização de uma quadra publica para um show gospel de propriedade particular, com a conivência da prefeitura que até cedeu seus funcionários que são pagos com nossos salários (inclusive enviei fotos dos funcionários uniformizados), causando transtorno para os moradores do local devido ao alto som e fechamento de via publica (Av. Mirandela) e nada foi publicado, contudo o itinerário de uma linha de ônibus particular vira matéria, difícil entender o critério adotado.

Você precisa estar logado para comentar Login